Restrição ou oportunidade?

Restrição ou oportunidade?

A primeira reação quando recebemos um diagnóstico de alergia ou intolerância alimentar é de nos sentirmos privados, punidos, excluídos, quase injustiçados.  Minha proposta hoje é olharmos para essa situação sob uma nova perspectiva. Será que em vez de uma limitação não seria uma oportunidade?

Comecei a pensar sobre isso por causa do trabalho que desenvolvo em um spa que segue a filosofia da naturopatia. Lá, toda a alimentação é vegana, ou seja, 100% isenta de produtos de origem animal, inclusive leite e seus derivados. Tampouco se usam refinados (farinha branca, arroz polido) ou óleos vegetais. Tudo em prol de uma alimentação que desintoxica e tonifica. Todas as terças e sextas, quando dou palestras aos hóspedes para explicar os benefícios dessa alimentação, vejo um certo ar de desespero nos rostinhos se perguntando “o que eu vou comer então, se não posso tomar leite, não posso comer queijo e o pãozinho francês foi banido da minha vida?”.

Daí um dia me veio um estalo. Por que ficamos olhando para tudo aquilo que não podemos comer em vez de olhar para o universo de alternativas que temos à nossa disposição? Se a natureza nos oferece inhame, cará e mandioca, por que insistimos em comer apenas batata? Se podemos apreciar tantos cereais, como milho, aveia, quinoa, arroz integral, por que só queremos saber de trigo, seja no pão, no biscoito, no macarrão ou na pizza? Se na feira encontramos rúcula, couve, rabanete, por que só damos bola para alface e tomate? E se podemos extrair sumos ou “leites” de castanhas, do coco, e até dos cereais, por que essa fixação com o leite de vaca? Quem será que está restringindo a nossa alimentação?

Se pararmos para analisar, a maioria dos casos de alergias e intolerâncias ocorre com alimentos ou substâncias a que estamos super-expostos, como é o caso do leite de vaca, do glúten e, agora, dos corantes e conservantes.  E é justamente por isto que é tão difícil lidar com a restrição. Porque tudo nas prateleiras dos supermercados, nas reuniõezinhas do trabalho ou nas festinhas de criança contém glúten, leite ou os dois.

Então convido vocês a pensar as intolerâncias e alergias alimentares não como uma restrição, mas como uma oportunidade. Uma oportunidade de se abrir ao imenso leque de opções que temos ao nosso alcance. Uma oportunidade de diversificar a alimentação, de experimentar novas receitas e de estimular a curiosidade e a criatividade para novos sabores.

É claro que há casos em que as manifestações são muito severas e o simples contato físico com a substância dispara a reação. Mas, na maioria dos casos, um olhar mais positivo sobre a impossibilidade de comer determinado alimento pode ajudar bastante a lidar com a questão. Em vez de olhar para o que “não pode”, vamos passar a enxergar tudo de bom que a natureza tem para oferecer.

Falo por experiência profissional e pessoal. Depois de descobrir que o trigo não me faz bem, reinventei a tapioca e o cuscuz no meu café da manhã, aprendi a fazer panquecas com farinha de arroz e descobri que a quinoa dá um ótimo tabule. A família, os amigos e o namorado agradecem. Sempre que vêm na minha casa, encontram uma novidade gostosa. Aliás, as amigas devem estar chegando para o jantar. O menu? Conto no meu próximo post.

Descobriu a intolerância à lactose há pouco tempo?

Comece por aqui:

Não, obrigado.

Primeiros Passos

Aula gratuita com tudo que você precisa saber sobre intolerância à lactose, alergia ao leite e alimentação saudável sem laticínios.