Anúncio

Além da intolerância à lactose: a dificuldade de digerir outros alimentos

23

Como muitos que acompanham o Semlactose.com já devem saber, a intolerância à lactose é a inabilidade de digerir a lactose, o açúcar do leite. Mas será a lactose o único açúcar a provocar desconforto gastrintestinal?

Apesar da fama, a lactose está longe de ser a única vilã e causadora de problemas gastrintestinais. Sintomas como flatulência, inchaço e dores abdominais, diarreia ou constipação não estão apenas relacionados ao açúcar do leite.

FODMAPs

Os chamados FODMAPs são carboidratos comumente mal absorvidos pelo nosso organismo que provocam sensações de desconforto gastrintestinal. Por não serem absorvidos por completo, eles acabam chegando ao intestino grosso onde as bactérias começam o processo fermentativo. Essa fermentação produz dióxido de carbono, hidrogênio e metano, que acaba gerando os conhecidos (e desagradáveis) sintomas de intolerância alimentar, como inchaço abdominal, gases, diarreia, constipação, dores de cabeça, azia, má digestão, entre outros.
A dieta baseada na redução de FODMAPs tem se mostrado bastante eficaz em pacientes com SII (Síndrome do Intestino Irritável) e com outros distúrbios gastrintestinais funcionais.

O nome FODMAP é uma sigla em inglês que se refere aos tipos de carboidratos fermentáveis (oligossacarídeos, dissacarídeos / monossacarídeos e polióis), aqueles que não são digeridos completamente pelo nosso organismo.

Esses tipos de carboidratos são comumente encontrados em frutas, legumes, grãos, laticínios, açúcares e adoçantes.

Assim como a enzima lactase, nosso organismo produz uma série de outras enzimas que, desde o início do processo digestivo, “quebram” essas moléculas de carboidratos em moléculas menores para então serem absorvidas por completo. Porém, alguns FODMAPs (esses carboidratos de difícil absorção) chegam ao intestino grosso intactos, muitas vezes por não produzirmos enzimas em quantidade suficiente para digerí-los, ou em alguns casos, simplesmente pelo fato de o carboidrato ser naturalmente de difícil absorção.

Como saber se eu tenho sensibilidade aos FODMAPs?

De acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia, a melhor forma de saber se você possui sensibilidade aos FODMAPs é utilizar o diagnóstico de exclusão.
• Retire um a um os alimentos considerados FODMAPs que fazem parte da sua dieta.
• Em seguida, reintroduza um dos alimentos que foi retirado da dieta e analise seus sintomas.
• Caso apareça algum sintoma, preste atenção nos alimentos ingeridos. Se você tiver tempo, faça um mini diário do que comeu para poder lembrar com mais facilidade.
• Se você identificou algum alimento que te fez mal, exclua-o da sua dieta por pelo menos uma semana e observe se os sintomas melhoraram.

Lactose é apenas um dos FODMAPs

É neste ponto que quero chegar. Muitas pessoas relatam sentir os sintomas típicos de intolerância à lactose, mesmo consumindo alimentos lácteos zero lactose. Entretanto, em muitos casos, tais sintomas podem não estar sendo provocados por um alimento zero lactose, mas sim por outros FODMAPs que estão sendo consumidos juntamente com o alimento lácteo.
Vou dar um exemplo que deve ocorrer com grande frequência no nosso dia a dia. Você toma um copo de suco de frutas desses de caixinha (alto teor de frutose) e depois come um pote de iogurte zero lactose adoçado com mel (mais frutose), ou usa algum adoçante como o xilitol (poliol). Você se sente mal, com aqueles sintomas típicos que já conhece e pensa logo que o iogurte é o culpado. Certo?
Acredite, você pode estar errado! O culpado pode ser a grande quantidade de frutose ingerida com o suco, o mel ou mesmo o xilitol (este último contém polióis). Todos esses são alimentos de difícil digestão e considerados FODMAPs.

Sintomas são cumulativos

Os carboidratos fermentáveis podem causar sintomas cumulativos e isso torna ainda mais difícil identificar qual alimento realmente está causando sintomas. Você já percebeu que em um determinado dia você comeu apenas feijão, arroz e uma carne e sentiu-se bem depois da refeição. No dia seguinte a sua dieta foi suco de maçã e um sanduíche com pão integral no lanche, e no almoço você começa com uma salada de brócolis, repolho e beterraba e repete o mesmo prato do dia anterior. Assim que você termina o seu almoço os sintomas logo começam a aparecer e você fica se perguntando. “Mas o que foi que eu comi? Almocei o mesmo cardápio de ontem e estou me sentindo mal?” O problema está na sequência de alimentos ingeridos, que se mal absorvidos vão, aos poucos, aumentando os seus sintomas até seu organismo começar a dar sinais de má digestão.

O que devo evitar?

Antes de falarmos sobre que alimentos evitar lembre-se: não somos todos iguais.
Isso significa dizer que enquanto você consegue digerir bem alguns alimentos, seu colega ao lado pode sentir dificuldade de digerir esses mesmos alimentos que, para você não causam sintomas. Isso se deve ao fato que cada organismo possui uma flora intestinal e produção de enzimas distintos.

A dieta brasileira e os FODMAPs

Alguns carboidratos de difícil digestão fazem parte da dieta diária de milhões de brasileiros. Entenda como os FODMAPs estão divididos e quais alimentos fazem parte de cada grupo.

1. GALACTANOS (Feijões, lentilhas, soja)

Galactanos são oligossacarídeos difíceis de serem absorvidos pelo nosso organismo. Quem já não ouviu alguém dizer que não gosta de comer feijão pois se sente “estufado”?

2. FRUTANOS (Trigo, cebola, alho, brócolis, repolho)

Esses são alguns dos alimentos que estão com frequência na mesa do brasileiro e possuem frutanos, um outro oligossacarídeo. O trigo é a maior fonte de frutanos da nossa dieta, mas eles também estão presentes na cebola, no alho, brócolis, repolho, nos aspargos, na beterraba e melancia.

3. LACTOSE (Leite, creme de leite, iogurte e outros derivados de leite)

Todos os alimentos lácteos, sejam eles de vaca, ovelha, búfala ou outro animal, possuem lactose em sua composição. A lactose é um dissacarídeo e faz parte da lista de FODMAPs. Lácteos com redução de lactose pelo processo enzimático ou pelo processo natural de redução da lactose (como é o caso de manteiga e queijos maturados) são os mais indicados para uma dieta isenta de FODMAPs.

4. FRUTOSE (Frutas e mel):

A frutose está presente em teor mais alto em algumas frutas e no mel. Ela é um monossacarídeo e também faz parte do FODMAPs.
As frutas com maior teor de frutose são as maçãs, peras, mangas, frutas secas e sucos de fruta concentrados. Se você consumir mais frutose do que seu organismo consegue absorver, a frutose não absorvida vira alimento para as bactérias do seu intestino.

5. POLIÓIS (Xilitol, sorbitol, maltitol)

Esses adoçantes contêm polióis, também chamados de álcoois de açúcar. Eles funcionam como substitutos do açúcar e são comumente encontrados em gomas de mascar. O xilitol virou febre neste último ano, com os benefícios de ser um adoçante natural, que não provoca cáries e possui baixo índice glicêmico (bastante usado em dietas para emagrecimento e por diabéticos). Porém, quando consumido em excesso, ele, assim como os demais adoçantes listados, podem provocar sintomas de desconforto gastrintestinal.

Preciso eliminar todos os alimentos FODMAPs para me sentir melhor?

Calma! O seu maior desafio é descobrir quais alimentos, pertencentes aos diferentes grupos, podem estar sendo os responsáveis pelos seus desagradáveis sintomas. Se você chegou até o Semlactose.com é porque já sabe que a lactose lhe causa sintomas indesejáveis. Mas se mesmo com a retirada da lactose da sua dieta você continua com sintomas similares, isso pode ser um sinal que há outros alimentos que podem estar causando esse mal-estar.

A quantidade de alimentos que você consome em uma refeição também pode estar diretamente relacionada aos seus sintomas. Todos os carboidratos que o seu organismo não consegue absorver em uma refeição serão fermentados pelas bactérias do seu intestino. Alguns alimentos, mesmo contendo FODMAPs, quando consumidos em pequenas quantidades, e consumidos de forma isolada de outros FODMAPs, podem ser totalmente absorvidos e os sintomas não se desenvolverão.

Lembre-se, o objetivo da dieta de exclusão é analisar quais alimentos podem ser mais difíceis de serem absorvidos pelo seu organismo para que você passe a evitá-los ou consumí-los em pequenas porções. Procure orientação médica ou nutricional para que você seja acompanhado e não tenha perdas nutricionais significativas neste período.

Referências:

Federação Brasileira de Gastroenterologia – http://www.fbg.org.br/
Therapeutic Advances in Gastroenterology – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3388522/
Wikipedia – https://en.wikipedia.org/wiki/FODMAP

Anúncio
Compartilhe.

Sobre o autor

Colabore com o conteúdo do Semlactose. Envie sugestões de temas para serem abordados, dicas sobre novos produtos, eventos, entre outros. Acesse nossa página de contato e envie sua mensagem.

23 Comentários

  1. Juliana Bertolazzi on

    Adoro os seus posts. São muito informativos e de fácil compreensão. Tenho observado que muitas pessoas sempre colocam a lactose como vilã. Chegam a acreditar que se sentem mal porque comeram algo por contaminação cruzada. Mas quem é apenas intolerante e fizer a dieta corretamente, não tem como passar mal porque comeu algo com traço de leite.
    Tenho uma dúvida: já ouvi de algumas pessoas que elas são intolerantes a lactose e alérgica a proteína do leite. Isso pode acontecer? Ser intolerante e alérgico ao mesmo tempo?

    • Luciane Baldo on

      Oi Juliana, que bom saber que você curte os posts do Semlactose!! É verdade que existe uma certa neura em relação à lactose. O grande problema é que os sintomas de má digestão de quem consome algo com lactose ou de quem consome alguma comida muita pesada são muito similares e a tendência é sempre buscarmos um único culpado. 🙂 Mas aos poucos vamos compreendendo mais sobre o assunto e conhecendo melhor as reações do nosso corpo. Quanto a possibilidade de ter IL e APLV, sim, existem pessoas que podem ser intolerantes à lactose e também alérgicas às proteínas do leite. É possível fazer ambos os exames. Em um caso como este é necessário retirar todos os lácteos da dieta. Vc acredita ter ambos? Já chegou a fazer exames de IL e APLV? Abs

  2. Tomo Fenergan 25mg cloridrato de prometazina. durante dois meses. isso vai resolver o meu problema alérgico de algo que eu tenho ingerido. a medica acha que eu tive intoxicação com remédio, mas nesse mesmo dia, ingeri leite. acredito que seja o leite.

  3. Boa tarde,
    Em que especialidade devo passa, para verificar problemas alérgicos na alimentação e toxicaçao alimentar.

    Atenciosamente,
    Nilzete

  4. Boa noite! Gostaria de saber se tem alguma lactase de laboratórios brasileiro, que seja boa. E qual a quantidade devo tomar,por exemplo quando for comer uma quantidade maior de pão de queijo ou outro alimento que tenha maior quantidade de lactose.

    • Luciane Baldo on

      Nilza, hoje há marcas de enzima lactase de fabricantes brasileiros com eficácia igual ao das enzimas importadas. Apenas veja no rótulo se o produto contém no mínimo 9.000 FCC (quantidade recomendada para consumir alimentos com lactose). Procure por Enzylacto, Digelac, Lactanon, Lactosil ou Paralac. abs

  5. Tenho um filho de 10 meses e a mais de um mês tem apresentado fezes amolecidas (que chegam a vazar pela fralda), cerca de 3 vezes ao dia. Ele tem refluxo, e toma leite Anti Regurgitação a bastante tempo e nunca teve problemas. Já relatei para a médica que disse que ia passar zinco para fortalecer o intestino mais acabou não prescrevendo nada… em uma ida ao plantão essa semana devido a um resfriado relatei ao médico que disse poder ser uma dificuldade temporária em digerir a lactose e me sugeriu dar um leite sem lactose por alguns dias e se resolvesse voltar ao leite dele depois. O problema é que se eu der outro leite o refluxo aparece mais forte… existe realmente essa questão de dificuldade temporária na produção da enzima Lactase? Talvez a ingestão desse composto resolveria o problema?

    • Luciane Baldo on

      Camila,
      A intolerância à lactose pode ocorrer de forma temporária quando ela for uma consequência de um outro problema de saúde. A atividade da lactase pode ficar reduzida devido a doenças ou lesões que prejudicam a mucosa intestinal, onde a lactase é produzida. Não saberia afirmar se o refluxo poderia estar associado a uma possível diminuição da produção da enzima lactase, mas minha sugestão é não modificar a prescrição do seu pediatra antes de conversar com ele. Relate o que está acontecendo e pergunte se a lactose poderia ser a causa desses sintomas. Abs

  6. Eu amo cebola, feijão e alho. Já cortei o feijão da minha alimentação, mas não sabia das outras duas. Vai ser muito difícil pra mim. Já tive que cortar muitos doces por causa da lactose. Já cortei pimenta por causa do meu estômago. Já tirei o feijão. E continuo me sentindo mal. Já estou entrando em pânico. Estou com medo de ter problemas com o glúten tb. Enfim comer já deixou de ser prazeroso pra mim :/

    • Dani, entendo seu sentimento. Em relação a cebola e alho, uma dica que dou é adicionar alho e cebola no azeite como se fosse uma conserva. O azeite fica com um sabor muito gostoso e pode ajudar a temperar seus alimentos sem ter que usar alho e cebola no prato. Você tem feito um acompanhamento com nutricionista? Seria muito bom se vc puder fazer, para que ele / ela possa lhe ajudar a melhorar suas refeições. Sentir prazer em comer faz muito bem pra nós e acho que vc não devia desistir de buscar soluções. bjs

  7. Thais Herrmann on

    Ótimo texto, muito explicativo! Fiquei na dúvida em um ponto: Alimentos lácteos de ovelha e de búfala. Ouvi dizer que esses produtos poderiam ser consumidos por intolerantes à lactose, mas conforme o texto, eles se igualam ao de vaca, é isso mesmo? Eles não são isentos de lactose? Consumo manteiga e queijo de búfala, iogurte de leite de ovelha … devo evitar?
    Obrigada!

    • Thais, ótima pergunta! Alimentos lácteos, de todos os animais, contém lactose. Existe um mito que foi criado em relação ao leite de bufala ou de ovelha, mas é apenas mito. Todos os leites de origem animal possuem lactose em quantidades similares. O que deve ser observado é qual alimento lácteo vc está consumindo, independente da origem do animal. Por exemplo, as manteigas (sejam elas de bufala ou de vaca) contém quantidades mínimas de lactose, porque assim é o processo natural de fabricação desses alimentos. Com alguns queijos o processo é similar. O queijo feta, por exemplo, contém apenas quantidade residual de lactose. Ele é tradicionalmente feito com o leite de ovelha, mas não é pelo leite da ovelha em si, mas pelo processo de fabricação deste queijo. Outro exemplo é o queijo mussarela, que também tem quantidades mínimas (cerca de 0,07g por cada 100g) de lactose. Este é geralmente feito com leite de vaca. Resumindo. De acordo com a dieta FODMAPs, vc pode consumir lácteos com baixo teor de lactose, e esses alimentos não estão relacionados ao tipo de leite animal, mas sim ao processo de fabricação. Há também todos os alimentos lácteos que sofreram redução de lactose com a aplicação da enzima lactase. Esses também são adequados ao consumo.

      • Muito obrigada pelo retorno. Vou parar de usar a manteiga de búfala (que é bem mais cara do que a normal, três vezes o valor), já que o efeito mínimo é o mesmo. Infelizmente muitas pessoas pensam como eu estava pensando, que aqueles produtos naturalmente não tinham a lactose, e não pela forma de produção. O que dificulta um pouco é saber quais produtos tem menor quantidade de lactose pelo processo de fabricação, e quais quantidades máximas podemos consumir sem nos fazer mal, existe alguma tabela em relação à isso?
        Obrigada.

        • Oi Thais,
          A quantidade de lactose que podemos consumir varia de indivíduo para indivíduo. O que podemos fazer é ir testando alguns alimentos, em quantidades diferentes e vermos como nos sentimos. Algumas regrinhas básicas para guardar: alimentos que contêm maior teor de lactose são o leite condensado e o leite em pó. Esses só aconselho a consumir se forem zero lactose ou tomando uma cápsula de enzima lactase junto com o alimento. Manteigas, creme de leite fresco contém alto teor de gorduras e pouca lactose. Mas atenção: nós geralmente consumimos uma porção de manteiga muito menor do que uma porção de creme de leite. A quantidade do produto vai fazer diferença no seus sintomas. Iogurtes com lactobacilos vivos contêm uma quantidade reduzida de lactose, em relação ao teor normal do leite, mas a maioria das pessoas dizem sentir sintomas de IL, por isso, os iogurtes zero lactose são uma melhor opção. Por fim os queijos maturados, geralmente contém baixo teor de lactose. Evite os queijos frescos, que possuem teor mais alto de lactose. Abs

  8. Walkiria p Naves on

    Muito bom o seu post pois apresenta de modo bem simples os FOODMAPs o que pode ajudar mais pessoas a descobrir a causa de tantos desconfortos.Eu também sou intolerante a lactose,ao gluten e a vários tipos de açúcares.Apesar de retirar totalmente o gluten e a lactose da minha dieta a mais de sete anos eu ainda continuava com um certo grau de desconforto.Somente após inúmeras consultas a nutricionistas,nutrologas ,gastroenterologistas ,alergistas e diversos exames é que descobri uma intolerância severa a frutose e a outros açúcares.Sigo uma dieta com restrição destes alimentos e me sinto bem melhor.

    • Oi Walkiria, obrigada por compartilhar a sua experiência conosco. Essa é uma realidade mais comum do que pensamos, mas como é difícil de ser diagnosticada, essas intolerâncias vão sendo levadas pelas pessoas, que acabam tentando tratar os sintomas, ao invés de combater as verdadeiras causas. Abs

  9. Adorei, principalmente quando você fica se perguntando. “Mas o que foi que eu comi?…”
    Vou começar a fazer a dieta de retirar um a um os alimentos, pelo menos uma semana e reintroduzir novamente um a um anotando o que comi para poder lembrar com mais facilidade e esperar depois pelas consequências… Muito obrigada pelas informações.

Deixe um comentário