Fórmulas lácteas: saiba diferenciá-las

97

Fórmula láctea é um alimento em pó de preparo com água que proporciona uma nutrição completa e balanceada, podendo ser usada como dieta exclusiva ou complemento alimentar. Abordaremos as diferentes fórmulas utilizadas, incluindo aquelas para crianças e adultos com alergias e intolerâncias alimentares.

O leite materno é considerado pela Organização Mundial da Saúde o alimento ideal nos primeiros meses de vida das crianças. No entanto, quando a mãe está impossibilitada de amamentar o seu bebê, o uso de fórmulas infantis é recomendado como substituição total ou parcial ao leite materno, para suprir as necessidades nutricionais dos bebês.

Há, disponíveis no mercado, fórmulas à base de leite de vaca e à base de soja, com proteínas extensamente hidrolisadas ou parcialmente hidrolisadas (quando a proteína é fragmentada para evitar reações alérgicas). Há ainda as isentas de lactose e com 100% de aminoácidos livres. Todas são acrescidas de ferro e vitaminas e possuem maiores concentrações de nutrientes, devido a sua menor biodisponibilidade.

Biodisponibilidade é a quantidade do nutriente presente no alimento que realmente será aproveitada pelo organismo, podendo ser afetada de várias formas:
• medicamentos – substâncias farmacológicas podem interagir com alguns nutrientes, prejudicando sua absorção;
• antibiótico – diminui absorção de minerais;
• estado fisiológico – algumas doenças exigem maiores quantidades de nutrientes, como no caso de diarreia e febre que interferem nas quantidades de absorção de sódio e potássio;
• estado nutricional – crianças com anemia e desnutrição têm o transporte de nutrientes prejudicado, não chegando ao fígado, seu alvo.

As fórmulas infantis são recomendadas por profissionais da saúde, pediatras e nutricionistas que sempre levam em consideração o estado de saúde da criança, a idade e a necessidade alimentar, como o caso de crianças com alergias à proteína do leite ou com intolerância à lactose.

Fórmulas de partida são recomendadas para os primeiros meses de vida do bebê. Elas preenchem adequadamente as necessidades nutricionais de crianças saudáveis, quando utilizadas de forma exclusiva até os 06 meses de idade. Essas fórmulas contêm lactose e grande quantidade de proteína. Ex: NAN Pro 1, Aptamil, Bebelac, Nestogeno.

Fórmulas de seguimento são semelhantes às fórmulas de partida e são indicadas como substituto ao leite materno a partir do 6º mês e para crianças na 1ª infância (12 meses aos 3 anos). Ex: NAN Pro 2, Aptamil 2, Bebelac 2, Ninho.

Fórmulas à base de soja são elaboradas com proteína isolada da soja, isentas de lactose e sacarose (açúcar comum). Este tipo de fórmula é indicado para crianças que apresentem intolerância à lactose, galactosemia (deficiência na produção da enzima que faz o metabolismo da galactose) ou que apresentem alergia à proteína do leite de vaca mediadas pela IgE – Imunoglobulina E (anti-corpo reagente à proteína do leite de vaca, que causa alergia), mas não por outras reações alérgicas. Além disso, elas promovem crescimento adequado e mineralização óssea de forma semelhante às fórmulas à base de leite de vaca comuns. Uma desvantagem é que essas fórmulas normalmente contêm fitatos (compostos com fósforo), os quais se ligam ao ferro e reduzem sua biodisponibilidade em crianças. Isso faz com que os fabricantes de fórmulas hipoalergênicas à base de soja incluam dosagens generosas de ferro em seus produtos. Ex: NAN Soy, Aptamil Soja, SupraSoy, SoyMilke, Isomil, Nursoy.

Embora o leite de vaca seja mais comumente associado à alergia alimentar, cerca de 50% das crianças apresentam alergia simultânea às proteínas de outros alimentos, como a da soja, por exemplo. Isso pode ocorrer tanto por predisposição genética (dos pais) quanto pela introdução de alimentos potencialmente alergênicos antes dos seis meses de vida (até os seis meses, a mucosa intestinal não está completamente formada e apresenta poros que permitem a passagem de moléculas grandes como as proteínas e isso pode ser uma das causas de alergias).

Para esses casos, aconselha-se o consumo de fórmulas semielementares ou elementares, como veremos a seguir.

Fórmulas semielementares são formulações à base de proteína do soro do leite ou da soja, extensamente hidrolisadas, encontrando-se na forma de aminoácidos livres (mas não 100%) e/ou peptídeos (compostos resultantes da união entre dois ou mais aminoácidos). Sua desvantagem é que o sabor dessas fórmulas não é muito agradável e têm alto custo. Ex: Alfaré, Pregomin, Peptamen e Peptamen Júnior; NAN H.A.

Para crianças menores de 01 ano de idade

Alfaré (Nestlé): 80% das proteínas são do soro do leite, formando peptídeos. Somente 20% são aminoácidos livres. Pode ser indicada para casos de má absorção, alergia à proteína da soja e/ou ao leite de vaca – porém, para esse último caso, por IgE (Imunoglobulina E) não mediadas;

Pregomin (Support): 40% é proteína hidrolisada da soja, 40% colágeno e 20% de aminoácidos livres. Indicada para crianças com alergia à proteína da soja e/ou ao leite de vaca ou com má absorção.

NAN H.A. (Nestlé): 100% do soro do leite parcialmente hidrolisado, sendo considerada 60 vezes menos alergênica que o leite de vaca. Porém, como há em sua composição proteínas intactas, deve-se ter maior atenção: a criança pode ou não apresentar melhora do quadro de alergia ao leite de vaca. Pode ser indicada como prevenção primária. Não contém aminoácidos livres.

Crianças de 1 a 10 anos

Peptamen Júnior (Nestlé): 100% do soro do leite hidrolisado, elaborada à base de peptídeos e isenta de lactose. Não contém aminoácidos livres. Considerada uma continuação do Alfaré. Indicada aos portadores de alergia à soja e ao leite de vaca por IgE não mediada, intolerantes à lactose, retardo no crescimento, casos de desnutrição, má absorção, diarreia, síndrome do intestino curto, entre outros.

A partir de 10 anos (e adultos)

Peptamen (Nestlé): fórmula com 100% do soro do leite hidrolisado, à base de peptídeos, isenta de lactose e de glúten. Não contém aminoácidos livres. Indicada aos portadores de alergia a soja e ao leite de vaca por IgE não mediada, intolerantes à lactose, celíacos, casos de desnutrição, má absorção, diarreia, síndrome do intestino curto, entre outros.

Fórmulas elementares são elaboradas à base de hidrolisado proteico, processo que resulta em 100% dos aminoácidos livres. Também são isentas de lactose, sacarose, frutose, galactose e glúten. Indicadas para intolerantes à lactose, aos celíacos, indivíduos com galactosemia, alérgicos à proteína do leite de vaca (IgE mediada ou não), má absorção intestinal, síndrome do intestino curto, doença de Chron e diarreia grave.

Geralmente, a recomendação deste tipo de produto é feita quando as fórmulas semielementares não foram suficientes, apresentando 90% de eficácia (quanto mais extensa a hidrólise, menor o potencial alergênico). Essas fórmulas também têm alto custo. Ex: Aminomed (Comidamed) e Neocate (Support) – para crianças menores de 1 ano; Neocate Advance e Vivonex Pediatric (Novarts) – para crianças maiores de 1 ano; e Vivonex Plus – para pessoas de 10 a 20 anos.

Fórmulas isentas de lactose são indicadas para crianças que apresentem intolerância à lactose e doença celíaca (intolerância ao glúten). Apresentam basicamente a mesma composição das fórmulas modificadas à base de leite de vaca, contudo, isentas de lactose. Ex: NAN Sem Lactose, Pediasure. Há também formulações isentas de lactose que servem como suplemento nutricional para adultos e crianças, como o SupraSoy Sem Lactose e Ensure.

Fórmulas antirregurgitação são mais espessas, indicadas para crianças que possuem alguma disfunção fisiológica (pequeno tamanho do estômago, esôfago curto, etc), alergia ao leite de vaca ou que apresentem refluxo gastroesofágico como consequência. Contêm lactose, maltodextrina e amido de arroz ou milho pré-gelatinizado (esses dois últimos se tornam mais espessos no contato com a secreção gástrica). Ex: NAN A.R., Aptamil A.R.

Fórmulas para bebês prematuros ou recém-nascidos são indicadas para atender as necessidades nutricionais dessas crianças – levando-se em consideração a imaturidade digestiva e metabólica. Possuem lactose e maltodextrina. Ex: Aptamil Pre, NAN Pre.

Lembre-se que qualquer tipo fórmula láctea, seja para adulto ou criança, deve ser prescrita e acompanhada por um profissional capacitado (nutricionista ou pediatra), pois doses acima ou abaixo do necessário acabam influenciando diretamente nos resultados nutricionais e podem trazer prejuízos à saúde.

Sobre a autora:
Nutricionista graduada pela Universidade Paulista (UNIP) de São José dos Campos/SP. Bruna realizou cursos de aperfeiçoamento em Nutrição aplicada à Medicina Estética, Dietas da Moda, Aproveitamento Integral dos Alimentos, Nutrição Materno Infantil e  Nutrição na Atividade Física e no Emagrecimento. Colaboradora da Revista para Diabéticos (editora Online), reportagem sobre saúde do site IG Ciência e Saúde e UOL Ciência e Saúde, e colunista do Portal Educação. Atendimento em consultório particular para diversos tipos de objetivos e idades.

Bruna Di Chiara Passos
Nutricionista CRN 3/26663
Blog: nutricionistasjc.wordpress.com

Anúncio
Compartilhe.

Sobre o autor

Colabore com o conteúdo do Semlactose. Envie sugestões de temas para serem abordados, dicas sobre novos produtos, eventos, entre outros. Acesse nossa página de contato e envie sua mensagem.

97 Comentários

  1. Olá. Qual a diferença entre leite de soja e leite sem lactose? Pois fui ao mercado comprar leite de soja para o meu bebê pra testar, pois ele não aceitou nenhum outro leite, e me deparei com latas de leite que não eram de soja porém constam como sem LA.

    • Izaura, O leite de soja é um produto de origem vegetal. Uma bebida extraída da soja que se assemelha ao leite de origem animal (leite de vaca, de ovelha, etc). A diferença entre o leite de soja e o leite de vaca, é que o leite de soja não contém lactose nem proteínas do leite de vaca. Existem alguns leites de vaca que através da aplicação de uma enzima (enzima lactase) quebram a lactose do leite, o que o torna um produto chamado no mercado de Zero Lactose. Existem outros leites vegetais como leite de amêndoas, leite de arroz, de aveia, etc. Todos esses leites, por serem de origem vegetal, também são isentos de lactose e de proteínas de origem animal. O mais importante é entender que tipo de restrição alimentar seu bebê tem. Eles não pode consumir alimentos com lactose ou não pode consumir alimentos com proteína do leite animal?

    • Livia, essa é uma questão que ainda não há respostas concretas. Alguns estudos apontam que o consumo de soja por crianças pode alterar aspectos hormonais e levar a criança a uma puberdade precoce. Na dúvida, converse com seu médico ou busque a orientação de um nutricionista. Abs

  2. Bm dia Dra.

    Tenho um sobrinho e mae encontra-se impossibilitada de amamantar desde o primeiro dia. Porem, tem como alternativa o leite artificial isomil (o leite de soja), gostaria de saber se este 'e um bom leite para a crianca ou nao?

    Cumprimentos

  3. olá boa tarde tem dois filhos um com 2 anos e uma com 5 anos ambos tem intolerancia a lactose e a proteina do leite e doença celiaca gostaria de saber se eles podem tomar o leite Alfaré ?

    • Luciane Baldo on

      Rose, o Alfaré é um suplemento adequado para crianças com alergia as proteinas do leite de vaca e alergia a soja, não contém glúten, mas ele é indicado apenas para crianças com até 1 ano de idade.

  4. Meu filho tem 4 meses e é intolerante a lactose por isso toma NAN Sem Lactose desde o primeiro mês de vida, mas ultimamente não quer mamar o leite pois parece que enjoo do gosto, p que posso misturar ao leite para dar sabor sem alterar a fórmula sem lactose?

  5. Minha filha esta com 10meses e com 2 meses deu uma alergia no corpo com aparecimento de empipocamento principalmente no rosto dai a pediatra mandou dar leite de soja, hoje ela esta com 10 meses e tomou ate entao nam soy e agora apareceu tudo de novo nao sei o q fazer pasamos pro nam sl mas fazem 3 dias e nada de diminuir. Acho q o leite esta errado.

Deixe um comentário